Bem vindos!

Variedades de Floripa ! notícias, política, depoimentos, críticas, curiosidades, vídeos e receitas !
Participe !

Todos os posts estão divididos por área, então se você tem interesse de ver somente um tipo de post, utilize a barra de categorias no topo da página, ou na seção de tags ao lado.
___________________________________________


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O incrível milho colorido. Photoshop ou genética?


Milho com grãos coloridos modificado geneticamente
Parece um objeto de vidro ou pedra colorida, mas é apenas uma espiga de milho – verdadeira.

Essa espiga diferente foi cultivada por Greg Schoen, da Seeds Trust, uma companhia americana. Greg chamou seu experimento de Glass Gem Corn (milho gema de vidro).

Com sementes adquiridas de seu “mentor”, um homem parte Cherokee (povo ameríndio nativo americano) em seus 80 anos, Greg obteve este milho colorido juntando vários grãos, cada um de uma espiga alterada geneticamente. Depois de plantar as sementes e colher vegetais tão fofos que parecem doces, Greg postou as fotos no Facebook e elas se tornaram virais.



Geneticando

Não vemos flores de cores diferentes em uma só árvore. Como Greg conseguiu milhos de cores diferentes em uma única espiga?

Cada milho é, na verdade, uma planta ou semente de planta de milho diferente, com uma mistura única de genes herdados de seus pais. É por isso que contar os núcleos de diferentes cores nas espigas roxas e amarelas mais comuns no Peru é uma maneira de ensinar como os genes de pigmentação são herdados através de genética mendeliana (conjunto de princípios relacionados à transmissão hereditária das características de um organismo – ou seja, seus genes vieram metade de sua mãe e metade seu pai).

Coloração dos grãos também tem sido utilizada para desvendar um fenômeno estranho em herança não mendeliana: transpóson, também conhecido como elementos de transposição ou genes saltadores.

Alguns tipos de milho têm núcleos manchados ou riscados com uma segunda cor, o que significa que algumas de suas células estão produzindo um pigmento especial, mas outras não.

Transpósons são sequências de DNA que “saltam” de um lugar para outro no genoma – no caso, “aterrissar” no meio de um gene de pigmento alteraria a cor dessa célula. Barbara McClintock ganhou um Prêmio Nobel por sua descoberta de transpósons.

O milho é uma boa “cobaia” para experimentos genéticos, já que sua variedade é enorme. Ele é a cultura mais amplamente cultivada nas Américas, com muita diversidade genética.

O milho gema de vidro tem, supostamente, gosto de milho normal, mas ainda não é um produto comercial. Aparentemente, é preciso estabelecer se seu consumo é seguro antes (e, como se sabe, a polêmica em torno de transgênicos é grande).

Fonte: hypescience.com

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget