Bem vindos!

Variedades de Floripa ! notícias, política, depoimentos, críticas, curiosidades, vídeos e receitas !
Participe !

Todos os posts estão divididos por área, então se você tem interesse de ver somente um tipo de post, utilize a barra de categorias no topo da página, ou na seção de tags ao lado.
___________________________________________


quarta-feira, 20 de junho de 2012

Risco da gripe A é alto, mas população parece ter esquecido dos cuidados


Ônibus fechados, lanchonetes sem uso do álcool em gel, escolas com hábitos não recomendados. Mesmo com um número de casos de Gripe A como o segundo maior desde 2009 e com a morte de um morador de Florianópolis pela infecção, a população da Capital parece ter esquecido dos cuidados.

Muito diferente de 2009, quando os tubos de álcool em gel e máscaras cirúrgicas quase não paravam nas prateleiras das farmácias, hoje apesar do risco ainda existir e das recomendações serem as mesmas, ou seja, lavar as mãos com água e sabão ou álcool em gel, evitar aglomerações e não compartilhar objetos de uso pessoal, os cuidados para evitar a gripe A estão bem menos rigorosos.

Para o Diretor da Vigilância Epidemiológica, Fabio Gaudenzi de Faria, se vacinar é uma escolha pessoal e não oferece 100% de proteção, por isso, a maneira mais correta é seguir as orientações básicas de prevenção. E é justamente isso que boa parte da população não está fazendo.

Nesta semana a equipe do DC fez uma ronda em escolas, restaurantes, terminais de ônibus e até em igrejas para analisar o que as pessoas estão fazendo para se prevenir. A constatação não é boa. Na maioria destes locais públicos não há nenhum cuidado.

Nas seis empresas de transporte público da Grande Florianópolis a informação era de que até ontem nenhuma delas havia tomado alguma iniciativa para prevenção do vírus entre os funcionários e não são poucos, cerca de 3.600 cobradores e motoristas em uma frota de mais de mil ônibus. Dentro deles circulam todos os dias aproximadamente 250 mil passageiros. Pelos números, sem incluir as famílias dos usuários e funcionários, ao menos 30% da população da Grande Florianópolis estaria desprotegida.

As empresas informaram ao DC que em 2009 receberam a orientação da Secretaria Estadual de Saúde de deixar as janelas dos ônibus abertas e passar álcool em gel no interior dos coletivos em todas as viagens, mas este ano apenas a recomendação de deixar os veículos arejados continua valendo, com exceção dos executivos que permanecem com as janelas fechadas por conta do ar-condicionado.

clikrbs

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget