Bem vindos!

Variedades de Floripa ! notícias, política, depoimentos, críticas, curiosidades, vídeos e receitas !
Participe !

Todos os posts estão divididos por área, então se você tem interesse de ver somente um tipo de post, utilize a barra de categorias no topo da página, ou na seção de tags ao lado.
___________________________________________


segunda-feira, 25 de junho de 2012

Cientistas identificam, pela primeira vez, a diferença cerebral entre amor e luxúria


Românticos podem dizer que já sabiam, mas cientistas afirmam ter identificado uma diferença neurológica entre os dois tipos de relações humanas.

Enquanto a luxúria desencadeia a parte do cérebro responsável pelo prazer, o amor estimula regiões diferenciadas.

A descoberta mostra o primeiro mapa detalhado sobre o amor e o desejo em nível cerebral, desenhado através de voluntários que observaram imagens de conteúdo adulto e fotografias com seus entes queridos e amados.

Foram somados os dados de 20 estudos, mostrando que a ínsula e o corpo estriado (regiões cerebrais), desempenham papéis fundamentais no desejo e no amor.

O desejo é desencadeado, em parte, pelo corpo estriado, mas ele não responde apenas pelo prazer carnal, mas também pelo prazer em consumir alimentos.

Em contraste, a área ativada pelo amor está relacionada com áreas da fixação de valores para as coisas que nos dão prazer. Isso significa que, enquanto uma estrutura estimula apenas o desejo sem atribuir um valor para este comportamento, outra estrutura cerebral fornece dados de fixação sobre o amor, formando um mix entre atração e o valor desse sentimento.

No entanto, o amor não é inteiramente puro. A parte do corpo estriado envolvido com o processamento do amor também está envolvida com a dependência de drogas, de acordo com os relatórios publicados no Journal of Sexual Medicine.


 Os pesquisadores da Universidade de Concórdia, Montreal, explicaram o fato ao descrever o amor como um hábito formado quando existe recompensa pelo desejo carnal.

O professor Jim Pfaus comentou que, embora os avanços da ciência tenham dado aos pesquisadores uma compreensão profunda de onde o amor e a luxúria encontra-se no cérebro, ainda existe muito para descobrir quando o assunto é sobre nossos comportamentos amorosos.

Ele acrescentou: “Eu vejo este trabalho como uma pedra angular em que eu espero que se transforme em mais estudos de neurociêcia sobre o comportamento social humano, dando-nos uma ideia sobre a atuação do amor no cérebro”.
fonte http://jornalciencia.com

0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget